sábado, 18 de maio de 2019

Trabalhadores da DHL em Agurain em luta contra a precariedade e a discriminação

O sindicato ELA revela, numa nota, que os trabalhadores da DHL em Agurain (Araba) vão realizar paralisações parciais de quatro horas nos dias 20, 21 e 22 de Maio, e uma greve por tempo indeterminado a partir de dia 23, para assim denunciar o «esvaziamento de conteúdo» do acordo colectivo de trabalho, por parte da administração, e defender os seus direitos.

A organização sindical basca informa ainda que a decisão foi aprovada em plenário por 70% dos 100 trabalhadores que laboram no centro logístico, 80 dos quais estão abrangidos pelo acordo que a multinacional de logística e distribuição não quer «renovar» nos moldes do que caducou a 31 de Dezembro de 2017.

Os trabalhadores partem para a greve ao cabo de oito meses de negociações e de uma dezena de reuniões com vista à negociação das «novas condições laborais», que, no entender dos sindicais, a empresa pretende agravar, explica-se na nota. Os sindicatos acusam ainda administração de pretender impor a discriminação salarial e a precariedade, levando a que trabalhadores a exercer as mesmas funções possam auferir salários com diferenças substanciais.

Afirmam também que o centro de Agurain da multinacional de logística e distribuição recorre de modo «fraudulento» à precariedade e às empresas de trabalho temporário, situação que mereceu uma intervenção e uma multa da Inspecção do Trabalho. Os sindicatos fizeram uma nova queixa por este motivo.

As reivindicações fundamentais expressas pelos sindicatos passam pela redução do horário de trabalho, o aumento dos salários ligado ao índice de preço ao consumidor, a eliminação da discriminação salarial e a realização de contratos de trabalho efectivos. / Mais info: Abril e Diario de Noticias

Fuga interna põe em causa conclusões da OPAQ sobre Douma, Síria

Um documento divulgado por engenheiros da OPAQ contradiz o relatório oficial sobre Douma e levanta questões sobre pressões políticas a que o organismo da ONU é submetido por EUA, Reino Unido e França.

«O relatório da missão de investigação da OPAQ não foi assinado. Não foi lá posto o nome de ninguém. É um procedimento muito pouco comum para relatórios finais da OPAQ», disse Robinson à RT, sublinhando que, em vez de incluir o documento interno dos engenheiros, inclui conhecimentos de «organizações obscuras, não designadas, anónimas» – o que levanta suspeitas sobre quem de facto está por trás das conclusões do organismo. (Abril)

Israelitas arrasam aldeia beduína de al-Araqib pela 143.ª vez

As aldeias com o estatuto de «não reconhecidas» «desaparecem» dos mapas oficiais, sendo que os seus habitantes não têm morada e vivem sob a ameaça constante de expulsação e de verem as suas casas demolidas. As autoridades israelitas, que não lhes reconhecem os seus direitos sobre a terra e os consideram «ocupantes» em «terras estatais», não lhes fornecem serviços básicos como água e electricidade, e excluem-nos do acesso a serviços de saúde e educação. (Abril)

Txapelpunk – «Palestina»

Tema da banda de Lekeitio (Bizkaia).

sexta-feira, 17 de maio de 2019

«Su bidez egindako hiru sabotaiaren autoretza aldarrikatu dute ezezagunek»

[De MpA] Eraso guzti hauek isilduak izan dira, nolabaiteko «bakearen» izenean edota herri honen onurantzako, baina argi duguna da, Euskal Herriak bizi duen egoera oso larria dela.

Argi izan behar dugu faxismoa sistema bera dela, eta ez da hainbeste denbora sistema honen pean herri honek honako erasoak sufritu zituenetik: lege antiterrorista, alderdien legea, torturak, erailketak... Eta argi geratu da estatu espainolean baldintza minimo batzuk ez direla ematen demokrazia burgesaren bitartez ezer lortzeko. / Ver: amnistiAskatasuna

«Até ao último dos palestinianos»

[De José Goulão] A velha política dos factos consumados a funcionar, como tem acontecido ao longo da limpeza étnica da Palestina.

O crime vai-se consumando. Dos cerca de oito milhões de palestinianos recenseados são menos de três milhões os que vivem na Palestina: dois milhões no imenso campo de concentração a céu aberto em Gaza; cerca de 800 mil em guetos e sob ocupação na Cisjordânia, incluindo os que vivem na zona de «autonomia» formal. (Abril)

China entrega à Venezuela mais 64 toneladas de medicamentos

Em declarações à imprensa proferidas no Aeroporto de Maiquetia, o ministro venezuelano da Saúde, Carlos Alvarado, informou que este novo lote consiste, sobretudo, em material médico-cirúrgico necessário aos hospitais públicos e do Instituto Venezuelano de Segurança Social.

Este fornecimento enquadra-se num acordo bilateral entre ambos países para fazer frente às consequências do bloqueio «ilegal e criminoso» imposto à Venezuela pela administração dos Estados Unidos e os seus «cúmplices internacionais», indica a VTV. (Abril)

Oliba Gorriak – «Iragana, oraina eta geroa»

Tema do álbum Ogi gogorrari, hagin zorrotza! (2005). A banda é de Markina-Xemein (Bizkaia).

quinta-feira, 16 de maio de 2019

«Castigo a las familiares de Karasatorre e Iragi y accidente del amigo de Urrutia»

[De MpA] Por otro lado, debemos denunciar el trato dado a las familiares de Juan Ramón Karasatorre y de Harriet Iragi en la cárcel de Castellón-II. Intentaron realizar un cacheo con palpación a la compañera de Karasatorre a pesar de que al pasarle la raqueta-detector esta no había pitado.

La mujer se negó a ser sometida a esa medida y en un principio le fue negada la posibilidad de entrar a la visita. Ante esta situación la hija de Karasatorre y la compañera de Iragi dijeron que ellas tampoco entrarían, a modo de protesta. Pero dos Jefes de Servicio salieron a donde ellas y tras dar la razón a las familiares, les dejaron entrar a todas. Sin embargo, ahora, han impuesto una prohibición de hacer visitas durante seis meses tanto a la compañera de Karasatorre como a la de Iragi. / Ver: amnistiAskatasuna 1 e 2

«Ante la detención de Josu Urrutikoetxea»

[De MpA] queremos exigir que sea inmediatamente liberado, ya que no reconocemos ninguna legitimidad para castigar a lxs militantes vascxs a los Estados de Francia y España, que son los que nos oprimen. Otra persona más podría estar detenida y, como no, también exigimos su libertad. / Ver: amnistiAskatasuna 1 e 2 / Ver tb.: gedar.eus

Mais de 1,5 milhão nas ruas do Brasil contra os cortes na Educação pública

O Dia Nacional de Greve na Educação ficou marcado por inúmeros protestos contra os cortes de 30% no orçamento das universidades federais anunciados pelo Ministério brasileiro da Educação. Pelas 14h, já tinham sido registadas mobilizações em todos os estados e, de acordo com o levantamento feito no Brasil de Fato na imprensa e nas redes sociais, houve manifestações em mais de 200 municípios.

Tratou-se da maior manifestação popular desde que Jair Bolsonaro foi eleito para a presidência do país sul-americano, e as entidades promotoras classificaram-na como «histórica». Por seu lado, o presidente brasileiro criticou os manifestantes a partir do Texas (EUA), apelidando-os de «idiotas úteis» e «imbecis», «usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo de muitas universidades federais no Brasil». (Abril)

Pelo menos 65 feridos no aniversário da Nakba em Gaza

Milhares de palestinianos da Faixa de Gaza, sujeita a um bloqueio por parte de Israel há 12 anos, manifestaram-se junto à vedação com que Israel isola o território, exigindo o direito de retorno dos refugiados (dois terços dos habitantes do enclave costeiro são refugiados) às suas terras de origem, no território actual de Israel, de onde foram expulsos no âmbito da campanha de limpeza étnica que acompanhou – antes e depois – a criação do Estado sionista, em 1948.

Ao comemorarem o dia 15 de Maio de 1948, conhecido por Nakba («catástrofe», em árabe), os palestinianos pretendem também chamar a atenção do mundo para os mais de 750 mil palestinianos que foram expulsos antes e depois da criação de Israel, bem como para os mais de cinco milhões de refugiados palestinianos actualmente existentes. (Abril)

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Cinco dias de greve na metalomecânica da Bizkaia, em defesa de um «acordo digno»

As greves terão lugar nos dias 23 de Maio e 6, 7, 20 e 21 de Junho, convocadas pelos sindicatos LAB, ELA, CCOO e UGT, concretizando-se assim o apelo unitário à luta realizado pelo LAB.

Numa nota, o sindicato LAB revela que, após 15 meses de reuniões no sector metalomecânico da Bizkaia, não se registam «quaisquer avanços», sendo que o patronato se apresenta numa posição «cómoda e prepotente», e está disposto «a prosseguir com a estratégia de destruição de emprego e de precarização das condições de trabalho no sector».

«A luta pela renovação do acordo sectorial» não se limita ao âmbito laboral, pois, sublinha o LAB, trata-se de «uma questão política e social», que exige o envolvimento das instituições.

Para o LAB, só com um «acordo sectorial digno» será possível garantir a «distribuição da riqueza». Neste sentido, passados 15 meses de negociações e lutas várias no sector, o LAB enetende que é tempo de aprofundar a luta, convocando greves como forma de defender os interesses dos trabalhadores e alcançar as suas reivindicações. / Ver: lab.eus

Assassinado na Colômbia Wilson Saavedra, ex-comandante das FARC-EP

Wilson Saavedra, antigo comandante da Frente 21 e da coluna Víctor Saavedra Ramos, das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (FARC-EP), foi atacado a tiro, esta terça-feira, quando se encontrava num restaurante em Tuluá, no departamento de Vale do Cauca (Ocidente da Colômbia).

Saavedra, de 49 anos, trabalhava actualmente em projectos agrícolas com outros ex-combatentes farianos, depois de ter abandonado as armas no espaço de reintegração de Marquetalia (departamento de Tolima), pelo qual foi responsável durante algum tempo. De acordo com a Contagio Radio, foi um promotor activo dos processo de paz e da reintegração de ex-combatentes da guerrilha na vida civil. (Abril)

«Nos 71 anos da Nakba, MPPM apela a reforço da solidariedade com o povo palestino»

[De MPPM] Nakba («catástrofe» em árabe) é o termo que designa a limpeza étnica da população palestina autóctone nos meses que antecederam e se seguiram à fundação de Israel, em 1948. Mais de 500 aldeias foram destruídas, mais de 750 000 palestinos foram expulsos das suas terras, transformando-se em refugiados. Pela violência, os sionistas ocuparam o território onde constituiriam o seu Estado — que excedeu em muito a área que lhe era atribuída no plano de partilha da Palestina aprovado pela ONU em 1947. (mppm-palestina.org)

«Cuatro operaciones de propaganda de los halcones sobre Venezuela»

[De Misión Verdad] Desde hace algunos años, esta tribuna ha catalogado como guerra no convencional todos los instrumentos que atentan contra estabilidad de la República. En estas circunstancias, el teatro de operaciones de las comunicaciones y la propaganda adquiere un valor estratégico, tanto para quienes desde dentro y fuera de Venezuela insisten en una agenda destituyente, como para el chavismo.

En el desarrollo de esta trama son visibles un conjunto de hitos o hechos relevantes recientes, que habían sido anunciados por funcionarios, voceros y medios, en un claro rol de compromiso con el derrocamiento del presidente Maduro. Han sido «hechos comunicacionales», desmentidos por fuentes de diverso origen dentro del propio suelo estadounidense o en el marco de la esfera internacional. (misionverdad.com)

terça-feira, 14 de maio de 2019

«Okupar derechos torcidos»

[De César Manzanos Bilbao] Hemos aprendido del discurso simbólico de los «derechos humanos» y de los «derechos constitucionales», que nos sirven para identificar aquello a lo que «no hay derecho». En el caso del derecho a la vivienda, lección aprendida es que «no hay derecho» a que haya quien acumule decenas de miles de pisos, lonjas y edificios vacíos, debido a intereses especulativos, mientras hay incalculable cantidad de personas y familias privadas de éste derecho. (BorrokaGaraiaDa)

«Privatizações: mercado agradece e povo paga a conta»

[De Antonio Biondi] Petrobras e Caixa Econômica Federal menores, lucros privatizados e conta para a população. Os planos de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes para as duas estatais, anunciados em abril, retomam um roteiro velho conhecido da população brasileira. O mercado agradece e a população paga o pato – com serviços piores, direitos a menos e contas a mais.

Essa é a avaliação trazida ao Brasil de Fato por Jair Pedro Ferreira, presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) e Deyvid Bacelar, diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA). (PCB)

Em Junho pode faltar comida para um milhão de civis em Gaza, alerta ONU

Num comunicado emitido esta segunda-feira, a agência criada em 1949 para dar assistência aos mais de 750 mil palestinianos vítimas da limpeza étnica levada a cabo pelas forças sionistas quando da criação de Israel afirma que, em Gaza, há cerca de 620 mil pessoas que não conseguem cobrir as suas necessidades básicas de alimentação e que têm de sobreviver com 1,6 dólares por dia, enquanto outras 390 mil vivem em pobreza absoluta (sobrevivendo com cerca de 3,5 dólares por dia).

Até 2018, os EUA eram o maior contribuinte para a UNRWA, mas a administração de Donald Trump decidiu cortar totalmente a sua contribuição anual de 360 milhões de dólares. Em simultâneo, insiste numa reformulação do conceito de «refugiado», numa tentativa de «fazer desaparecer» a questão dos refugiados criados pela limpeza étnica de Israel, explica o MPPM no seu portal. (Abril)

Golpistas venezuelanos escreveram carta ao Comando Sul dos EUA

Delcy Rodríguez condenou de forma veemente, esta segunda-feira, as acções da extrema-direita, cujos dirigentes procuram activamente a «ingerência estrangeira» e uma «intervenção militar» no país.

Numa conferência de imprensa pronunciada ontem em Caracas, a vice-presidente executiva da República, Delcy Rodíguez, rejeitou categoricamente a missiva enviada no passado dia 11 ao chefe do Comando Sul dos EUA (SouthCom), almirante Craig S. Faller, pelo dirigente da oposição golpista Carlos Vecchio, «por instruções do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó». (Abril)

segunda-feira, 13 de maio de 2019

«Ante las detenciones realizadas por la Guardia Civil en Nafarroa»

[De MpA] Ante las tres detenciones llevadas a cabo hoy por la Guardia Civil española en Nafarroa por portar fotos de presos políticos durante la Korrika, el Movimiento Pro Amnistía y Contra la Represión quiere expresar lo siguiente:

En la última década Euskal Herria se encuentra inmersa en un grave proceso de asimilación. Junto a la disolución del Movimiento de Liberación Nacional Vasco (y como consecuencia de ello), hemos pasado de una fase de resistencia a esta otra de asimilación. Si Euskal Herria no está totalmente asimilada es porque todavía mantiene un nivel mínimo de politización, y los Estados Español y Francés, sabedores de ello, están sumidos en un intento por llevar hasta el final dicha despolitización. / Ler: amnistiAskatasuna 1 e 2

«[Fidel en el 59] La Revolución que acabó con un gran mito»

[De Eugenio Suárez Pérez] El proyecto de Ley de Reforma Agraria fue ratificado por el Congreso en la sesión del día 5 de mayo. El Primer Ministro dejó convocada la próxima sesión para el 17 de mayo, en la Comandancia General del Ejército Rebelde ubicada en La Plata, Sierra Maestra, para considerar de nuevo ese proyecto, a los efectos de su tercera ratificación. La fecha había sido escogida porque se conmemoraba la muerte del luchador campesino Niceto Pérez (Granma)

Exército sírio descobre mais esconderijos com armamento de terroristas

Em operações de limpeza realizadas na província de Quneitra, unidades do Exército Árabe Sírio (EAS) encontraram grande quantidade de armas e munições, e medicamentos de fabrico israelita.

Uma fonte militar anónima disse à SANA que, no decorrer das operações, os soldados sírios encontraram diversos equipamento militar – incluindo metralhadoras, lança-granadas anti-tanque, dispositivos de telecomunicações e binóculos. No mesmo local, descobriram grandes quantidades de medicamentos e equipamento cirúrgico de fabrico israelita, revela a PressTV.

De igual forma, conseguiram localizar, camuflados em grutas e túneis, veículos de marca Toyota, mísseis de tipo Tow, de origem norte-americana, e Law, de fabrico isralita, acrescenta a Prensa Latina. (Abril)

The Wolfe Tones – «James Connolly»

Muita informação em: El Norte de Irlanda

domingo, 12 de maio de 2019

Milhares de pensionistas defenderam em Bilbo um sistema público de pensões

Dando resposta à iniciativa do Movimento de Pensionistas da Bizkaia, milhares de pessoas manifestaram-se este sábado, na capital biscainha, em defesa de um sistema público que garanta pensões dignas.

Com a mobilização, quiseram lembrar aos partidos políticos que não vão deixar que esta questão «se fique por uma promessa», agora que começa a campanha para as eleições locais, forais, autonómicas (como acontece em Nafarroa) e as europeias.

Quiseram, além disso, reafirmar que vão continuar a mobilizar-se até que os compromissos assumidos no que respeita às pensões sejam uma realidade. No entender dos promotores da manifestação, aquilo que falta é «vontade política» para assegurar um sistema público de pensões e garantir uma vida digna a todas as pessoas. / Ler comunicado e ver mais fotos: ecuadoretxea.org

«"Fake News" e manipulação»

[De Fernando Correia] Uma coisa são as novas tecnologias e as suas extraordinárias potencialidades para o bem dos homens, outra coisa é o manto dissimulador e anestesiante de uma «era da informação» encarada como uma espécie de «desígnio global da humanidade», perante o qual todos os homens teriam a mesma situação e os mesmos interesses, mas que mal dissimula motivações e objectivos de natureza diversa – económica, política e ideológica.

[…] Mas o que acontece, no quadro das contradições próprias do capitalismo, é esses meios serem utilizados em estratégias de conquista de mercados, operações financeiras especulativas, luta desenfreada pelas audiências, mais ou menos sofisticadas formas de interferência neste e naquele país, alargamento de hegemonia política e ideológica, defesa ostensiva ou disfarçada dos interesses económicos e ideológicos da classe dominante. (o militante)

«Proteger o Património Cultural»

[De Manuel Augusto Araújo] Com as guerras do império norte-americano e seus sequazes no Médio Oriente, Iraque e Síria, e no Afeganistão a destruição de monumentos, a pilhagem, o tráfico ilegal de artefactos históricos têm efeitos muitíssimo mais devastadores que o incêndio da Notre-Dame. A sua memória vai-se diluindo, os autores desses crimes lesa-património cultural vão ficando impunes. Convém sublinhar que quem de facto os perpetrou, os talibãs no Afeganistão, os jihadistas na Síria, são extensões, armas de arremesso dos EUA e seus aliados que os armaram e financiaram. (odiario.info)

Reinaldo Iturriza analisa «El Libro Azul», de Chávez [Escuela de Cuadros]

En El Libro Azul nos encontramos con un Chávez que propone una reorganización de la sociedad en la que ubicamos el germen del socialismo y de la comuna.
[…]
En esta oportunidad conversamos sobre El Libro Azul, escrito por Chávez previo al 4 de Febrero de 1992, y que fuera adoptado por el Movimiento Bolivariano Revolucionario Doscientos (MBR-200) como un documento síntesis de la orientación ideológica y estratégica del movimiento. (Reinaldo Iturriza)

«Chávez y el Libro Azul (con Reinaldo Iturriza)»Ver: lahaine.org