segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Ha nacido Gazte Koordinadora Sozialista

[para dar una respuesta desde el punto de vista de clase a la cuestión de la problemática juvenil] La presentación se ha realizado en el frontón Auzolana de Gasteiz. En esta presentación estaban presentes jóvenes venidos de diferentes puntos de Euskal Herria para dar su apoyo al nacimiento de Gazte Koordinadora Sozialista (Coordinadora Juvenil Socialista).

La presentación ha empezado con la reivindicación de una línea política. Han afirmado que, precisamente, es la elección de defender el socialismo lo que une a los jóvenes que conforman la coordinadora. Han explicado que su objetivo es la superación de la dominación burguesa y sus diversas formas de opresión. / Ver. boltxe.eus [com texto da apresentação]

Gora Euskal Herria Askatuta!
Gora Iraultza Sozialista!

Washington leva toneladas de ouro da Síria, em acordo com o Daesh

As mesmas fontes referem que as caixas continham grandes quantidades de ouro que o grupo terrorista tinha armazenado a leste da cidade de al-Shadadi – uma informação que, sublinha a SANA, vem confirmar informações prévias que davam conta de que o Daesh tinha transportado para al-Dashisha cerca de 40 toneladas em barras de ouro roubadas na cidade iraquina de Mossul e de várias partes da Síria.

Washington ainda não comentou estas informações. Recorde-se que as tropas norte-americanas e a chamada «coligação internacional» liderada pelos EUA têm sido reiteramente acusadas de transportar militantes do Daesh, «salvado-lhes a pele» em situações de aperto e dando-lhes, inclusive «novo uso». (Abril)

«Cinco "intervenciones humanitarias" de EEUU que terminaron en desgracia»

[De Misión Verdad] Desde los primeros meses del año pasado, esta tribuna realizaba un paneo sobre las graves consecuencias que han traído consigo las intervenciones militares con fines supuestamente humanitarios. Ahora que la oposición venezolana, articulada bajo la tutela absoluta de Washington, dibuja un nuevo «Día D» (el 23 de febrero) para ingresar la «ayuda humanitaria», conviene refrescar la memoria y buscar en ejemplos históricos recientes las tragedias sociales que ha dejado a su paso este método de cambio de régimen. Pero sobre todo, y de ahí la vigencia e interés de republicar esta investigación, se hace necesario insistir en los personajes y agendas que han promovido, desde hace algún tiempo, que sobre Venezuela se cierne una amenaza creíble de intervención militar. Sin más preámbulo, recordemos. (misionverdad.com)

Sandino Primera e Maria Rivero – «Las banderas»

Ela é basca (de Balmaseda, Bizkaia) e ele é venezuelano (de Caracas).

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Face ao projecto do TGV, Tafalla defende o comboio público e social

Cerca de 1500 pessoas, de acordo com os organizadores, manifestaram-se este sábado nas ruas de Tafalla (Nafarroa) para exigir a realização de um referendo sobre o modelo de transporte ferroviário na Zona Média navarra, cujas estações de comboio e comunicações ferroviárias estão ameaçadas pelo projecto de Comboio de Alta Velocidade (TGV).
Mais de 17% da população de Tafalla já assinou a petição a favor da realização de uma consulta popular sobre o TGV. 

VER vídeo aqui / Mais info: ahotsa.info

«Crónica desde un Haití al rojo vivo»

[De Lautaro Rivara] Pero las festividades no fueron más que un interludio breve. Pronto se reanudarían las batallas contra la carestía de la vida, la corrupción endémica, la crisis social y económica y la ausencia de un modelo de nación para la primera República independiente surgida a la historia de este lado del Río Bravo.
[…]
Así es que a casi nadie conviene hoy señalar que si se trata de urgencias humanitarias, éxodos migratorios, inseguridad alimentaria, represión estatal y ausencia de democracia, el foco de las preocupaciones debería recaer sobre el devastado Haití y las miradas admonitorias sobre su clase política y sus puntales internacionales. (BorrokaGaraiaDa)

«Carta de Ho Chi Minh a Lyndon B. Johnson»

[De Ho Chi Minh] Vietnam se encuentra a miles de kilómetros de Estados Unidos. Los vietnamitas nunca han hecho ningún daño a EE.UU., pero EE.UU. ha intervenido de forma continuada en Vietnam
[…]
Los vietnamitas aman profundamente la independencia, la libertad y la paz. Pero se han levantado como un solo hombre ante la agresión de Estados Unidos, sin temor a los sacrificios ni a las penalidades. Están decididos a seguir resistiendo hasta conseguir la verdadera independencia, la libertad y la paz.
[…]
Los vietnamitas no se rendirán nunca ante la agresión, y no aceptarán conversaciones bajo la amenaza de las bombas. Nuestra causa es absolutamente justa. Sólo cabe esperar que el gobierno de Estados Unidos actúe de forma racional. (kaosenlared.org)

Vigo fez frente aos fascistas do PP [vídeo]

O presidente do Celta de Vigo, Carlos Mouriño, colocou a sede do clube à disposição dos fascistas Pablo Casado (líder do PP espanhol) e Núñez Feixóo (presidente da Xunta da Galiza, também do partido da extrema-direita espanhola), para que interviessem, no passado dia 14, num acto político em defesa da unidade de Espanha.

Mais de uma centena de antifascistas vigueses, incluindo muitos apoiantes do Celta, insultados pela instrumentalização política do clube por parte do PP, deixaram claro o seu repúdio pela presença dos fascistas na sede do clube e na cidade de Vigo.

«Fascistas fora na nossa sede», «O PP fora da nossa sede», «Vós, fascistas, sois os terroristas», «Vigo será o túmulo do fascismo» e «Puta Espanha» foram algumas das palavras de ordens gritadas na concentração de protesto, marcada por muitos apupos e por um forte dispositivo da Polícia espanhola.

Recepção calorosa aos fachos do PP em VigoVer: lahaine.org

sábado, 16 de fevereiro de 2019

«Aplastado físicamente», el documento que reveló la muerte de Joxe Arregi hace 38 años

[De Ramón Sola] Son cuatro folios escritos a mano y con manchas de sangre. En ellos tres presos políticos cuentan cómo llegó Joxe Arregi al Hospital Penitenciario de Carabanchel tras pasar por la Dirección General de Seguridad: «Aplastado físicamente». Moriría un día como hoy de hace 38 años. Desde entonces el 13 de febrero es día emblemático contra la tortura en Euskal Herria.

El documento adjunto, facilitado a NAIZ por Euskal Memoria, es dramático en su contenido e histórico en su trascendencia.

La impunidad se impuso una vez más. Hasta 73 policías habían estado con Arregi, un joven robusto de 30 años, en los calabozos de la Dirección General de Seguridad de Madrid. Solo cinco fueron detenidos y apenas dos resultaron condenados, a penas de cuatro meses y después de una absolución inicial. / VER: lahaine.org

«Rapina colonial: da pesca no Saara ao ouro da Venezuela»

[De José Goulão] Da pesca subtraída aos sarauis ao petróleo e ao ouro expropriados aos venezuelanos, passando pela fruta colhida em terras palestinianas roubadas por Israel, se nutre a economia europeia chancelada por Trump.

Quer isto dizer que a maioria dos membros do único órgão da União Europeia eleito directamente pelos cidadãos não se limita apenas a aceitar como parceiro preferencial de negócios um Estado que viola grosseiramente o direito internacional; ainda admite que se tire proveito da situação, roubando riquezas alheias sem que os legítimos proprietários possam defender-se – porque lhes foram retirados os mais elementares direitos humanos e nacionais. (Abril)

«Democratas oferecem o muro a Trump»

[De António Santos] Nunca é demais recordar que nos EUA o sistema é de partido único. Só que com duas faces, para disfarçar. Os «republicanos» alternam com os «democratas» e vice-versa, sem que surja qualquer diferença no que é essencial para o capital monopolista. Agora é o imoral e criminoso muro na fronteira com o México, que avança depois de um indecoroso regateio do preço. Ambos estão de acordo quanto à sua construção. (odiario.info)

«El capítulo 1 del tomo 1 de "El Capital"» [vídeo]

[De Néstor Kohan // La teoría del valor y la lógica dialéctica en El Capital de Marx] Siguiendo las enseñanzas de Lenin en sus «CUADERNOS FILOSÓFICOS», nos tomamos en serio su recomendación: quien no estudie la lógica dialéctica poco entenderá de «EL CAPITAL» de Marx. Este video intenta hacer una introducción a la lógica dialéctica en el capítulo 1 del tomo 1 de «EL CAPITAL», a 200 años del nacimiento de su autor. Sugerimos complementarlo con la lectura de «HISTORIA Y CONCIENCIA DE CLASE», de Lukacs.

Marx y la lógica dialéctica en El CapitalVer: amauta.lahaine.org

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

400 pessoas apoiaram em Iruñea os trabalhadores em greve da Navarpluma

Cerca de 400 pessoas juntaram-se esta sexta-feira na Udaletxe Plaza, em Iruñea, em solidariedade com os trabalhadores da Navarpluma, que estão em greve por tempo indeterminado desde o dia 1 de Fevereiro.

A empresa, com 38 trabalhadores e localizada no parque industrial de Aratzuri-Orkoien (Nafarroa), é uma filial da Martiko e, segundo revela o sindicato ELA numa nota, encontra-se numa situação económica «muito boa». Em 31 de Março de 2018, a Navarpluma tinha um lucro de 1,3 milhões de euros (últimos dados acessíveis), sendo que a percentagem dos gastos com os trabalhadores representava apenas 3,5% da sua despesa total.

Com a greve, os trabalhadores querem ver celebrado um acordo de empresa que dignifique as suas condições de trabalho. Desde que teve início, a 1 deste mês, «a empresa tem estado a violar o direito à greve, através de coacções, impedindo a entrada nas instalações do Comité de Greve e substituindo trabalhadores em greve», denuncia o ELA, acrescentando que as situações foram comunicadas à Inspecção do Trabalho.

Os trabalhadores da Navarpluma querem também que o Governo de Nafarroa se envolva na resolução do conflito – algo que o ELA considera indispensável, até porque, sublinha, a empresa está a receber ajudas públicas. / Ver: ela.eus

Venezuela irá duplicar venda de petróleo à Índia, apesar das ameaças de Bolton

Referindo-se ao negócio renovado no sector petrolífero entre a Venezuela e a Índia, John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, também recorreu ao Twitter, no seu caso para avisar que os Estados Unidos «não esquecerão» os países e empresas que «apoiarem o roubo dos recursos da Venezuela por parte de Maduro» e deixando claro que cabe a Washington zelar pelos «bens do povo venezuelano».

Recorde-se que, no âmbito do golpe de Estado organizado e promovido por Washington contra a República Bolivariana da Venezuela, as sanções impostas pelos EUA assumem um papel fundamental, na medida em procuram conduzir o país à asfixia económica, ao caos e à ingovernabilidade. À cobertura mediática «a soldo», mercenária, cabe o papel e criar a percepção da «crise humanitária» e de que esta é imputável ao chavismo. (Abril)

«A "posição do país"»

[De Filipe Diniz] Em primeiro lugar a questão da «posição do país». Por exemplo, o Governo do PS, e a direita também, reconhecem o fantoche Guaidó como presidente da Venezuela. Mas tanto pode dizer-se que é essa «a posição do país» como que é «a posição dos EUA». E o PCP, e tantos portugueses que condenam essa «posição», fazem parte do «país».

O método é antigo. Acontece que as posições das classes dominantes são as delas, não as «do país». E historicamente não faltam exemplos de posições dessas que vão contra o interesse nacional. Quem estiver ao lado dos trabalhadores e do povo poderá estar sozinho. Mas nunca estará isolado. (avante.pt)

«Nuevo intento de reescribir los acuerdos»

Pese a la falta de avances, Moscú insiste en la ausencia de alternativas a los acuerdos de Minsk y sigue exigiendo su implementación completa, algo que Kiev nunca ha tenido intención de cumplir.

Sin grandes posibilidades de desbloquear el proceso de Minsk cuatro años después de la firma de los acuerdos, la situación sobre el terreno no ha cambiado en exceso desde la finalización de las grandes batallas en 2015. […] Sin avances en el frente diplomático, el goteo de muerte y destrucción continúa. El mes pasado, Naciones Unidas actualizó la cifra de víctimas mortales confirmadas a casi 13.000. (slavyangrad.es)

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Entrevista a Lorenzo Espinosa, autor do livro «ETA, la historia no se rinde» (cas.)

[De El Bloque del Leste] Josemari Lorenzo Espinosa, historiador y autor del libro ETA. La historia no se rinde. Una entrevista en la que se trata el arco histórico del nacionalismo vasco en Euskal Herria (actualmente las comunidades autónomas de País Vasco y Navarra), el PNV, ETA, su disolución y el fin de la lucha armada.

1.¿Qué era ETA (Euskadi Ta Askatasuna) y dónde se origina esta organización armada?
Era una organización o grupo político que utilizaba la lucha armada, para conseguir o ayudar a conseguir sus objetivos. Nace en Bilbao, en 1958. Primero como un grupo de estudio, dedicado a recuperar la lengua vasca, conocer su Historia y sus leyes antiguas. Luego evoluciona mas radicalmente. A comienzo de los 60, se une a un grupo de disidentes de las juventudes del PNV (EGI) y se empieza a sopesar la utilización de armas.

Siguiendo el modelo del IRA, la revolución cubana o el FLN argelino. Que por entonces, estaban de moda. En la primera Asamblea de 1962, afirman que utilizaran todos los recursos a su alcance para conseguir la independencia de Euskadi. / LER: boltxe.eus

El Tribunal Supremo confirma la condena al periodista Boro LH por la «Operación Araña»

El Tribunal Supremo, presidido por los jueces Pablo Llarena Conde, Carmen Lamela Díaz, Miguel Colmenero Menéndez de Luarca, Juan Ramón Berdugo Gómez de la Torre y Antonio del Moral García desestiman el recurso de Boro LH al Tribunal Supremo por la condena de año y medio por la Operación Araña y reafirman la condena que hace un año le impuso la Audiencia Nacional. (lahaine.org)

Milhares contra a fome e os tarifazos: «nos bairros não se aguenta mais»

Segundo as organizações promotoras, 200 mil pessoas participaram em Buenos Aires e um milhão em toda a Argentina na jornada de luta contra a «fome e os tarifazos», exigindo «pão, casa e trabalho».

«A fome voltou aos bairros. É a pior crise desde 2001», disse Daniel Menéndez, da organização Bairros de Pé, na maior de todas as manifestações que esta quarta-feira tiveram lugar por toda a Argentina. Em Buenos Aires, onde muitos milhares de manifestantes se concentraram em frente ao Ministério do Desenvolvimento Social, exigiu-se uma resposta imediata do governo para a gravidade do «problema alimentar». Dina Sánchez, da Frente Darío Santillán, sublinhou que «nos bairros a situação não se aguenta mais». (Abril)

«Meninos do Flamengo: mais um crime provocado pela ganância»

[De Intersindical] Só quem vive a dura realidade da maioria da população trabalhadora sabe o que significa para um menino ter tanta alegria em poder com seu treinamento/trabalho pagar o aluguel de sua avó. Isso não significa nada para quem se farta nas negociatas do mundo dos negócios do futebol.

O local onde estavam os meninos nem constava no projeto do Flamengo aprovado pela área de licenciamento e, nos últimos anos, foram mais de 30 autos de infração, além de pedidos de interdição. O alvará de funcionamento não foi concedido, pois a direção do Flamengo não apresentou até hoje o certificado do Corpo de Bombeiros para o funcionamento. (PCB)

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Dia contra a tortura em EH: a 38 anos da morte por torturas de Joxe Arregi

Hoje, 13 de Fevereiro, passam 38 anos sobre a morte por torturas de Joxe Arregi Izagirrre e assinala-se o Dia Internacional contra a Tortura em Euskal Herria. Neste contexto, foram agendadas para hoje iniciativas em vários pontos do território basco para denunciar a tortura, exigir o fim desta prática e condenar a impunidade que a rodeia - caso de Joxe Arregi, em 1981, é um de muitos exemplos. O Movimento pró-Amnistia e contra a Repressão marcou concentrações para Gasteiz, Bilbo, Iruñea e Donostia. [comunicado aqui.]


13 de Fevereiro é, no País Basco, o Dia Internacional contra a Tortura. A data passou a ser assinalada após a morte por torturas de Joxe Arregi (Zizurkil, Gipuzkoa), em 1981. O militante da ETA foi capturado a 4 de Fevereiro daquele ano e, incomunicável, foi sujeito a torturas brutais durante nove dias, vindo a falecer no Hospital Prisional de Carabanchel, em Madrid, a 13 de Fevereiro.

«Oso latza izan da» [foi muito duro], disse, pouco antes de morrer, a companheiros revolucionários que se encontravam no hospital.

Ao seu assassinato seguiu-se, em Euskal Herria, uma greve geral com ampla adesão, bem como manifestações, fortemente reprimidas pela Polícia espanhola. Estima-se que umas 10 mil pessoas tenham participado no funeral de Arregi, em Zizurkil.

Milhares de bascos foram torturados – durante o franquismo, a mal chamada «transição» e a dita «democracia espanhola».

Uma investigação coordenada pelo médico forense Paco Etxeberria, publicada em Novembro de 2017, documentou 4113 casos de tortura entre 1960 e 2014.

Os casos dizem todos respeito a pessoas nascidas ou residentes na Comunidade Autónoma Basca (ficando de fora Nafarroa e Iparralde). / Ver: aseh

Venezuela insistirá no diálogo e na diplomacia para defender a paz

Arreaza chamou a atenção para as verdadeiras intenções da administração de Trump quando fala de «ajuda humanitária» ao seu país. «Como vamos confiar em quem [nos] impõe sanções e bloqueia activos do povo venezuelano?», perguntou o titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, tendo lembrado que a própria Cruz Vermelha Internacional na Colômbia se recusou a participar «nesse show mediático», ao considerá-lo politizado e sem neutralidade.

Arreaza lamentou ainda que a União Europeia e as suas instituições se tenham posto ao lado dos Estados Unidos e tenham «cometido o erro» de reconhecer o deputado Juan Guaidó como «presidente interino» de «um governo autoproclamado numa praça, sem qualquer autoridade que lhe confira validade», informa a VTV. (Abril)

Convenção Internacional contra a NATO, em Florença

Em Florença (Itália), dia 7 de Abril de 2019. No Cinema Teatro Odeon (Piazza Strozzi).

Com a participação de Michel Chossudovsky, do Centre for Research on Globalization (Global Research, Canadá); Gino Strada, fundador de Emergency; Alex Zanotelli, missionário comboniano; Franco Cardini, historiador; General Fabio Mini; Tommaso Di Francesco, co-director de Il Manifesto; Giulietto Chiesa, director da Pandora TV; Manlio Dinucci, jornalista. / MAIS INFO: nowarnonato

«A luta de classes e a saúde mental dos trabalhadores»

[De Gilson Lima] O adoecimento, o sofrimento e a dor, física e mental, fora os «acidentes» e «tragédias», acompanham a história dos trabalhadores. São inclusive um indício de sua posição de classe explorada e oprimida. «A miséria, a insegurança, o excesso de trabalho e o seu caráter forçado destroem o corpo e o espírito do operário», dizia Engels, em meados do século XIX, em seu clássico «A situação da classe trabalhadora na Inglaterra».

Mas nos cabe entender melhor como a saúde do trabalhador se apresenta hoje, em nosso contexto, quais seus determinantes, suas características e as melhores formas de defendê-la. Ora, e quando damos uma olhada nos noticiários do jornal, ou prestamos atenção em nosso local de trabalho, o que nos salta aos olhos é o crescimento do adoecimento mental dos trabalhadores. Como entendê-lo e combatê-lo? (PCB)

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

O Exército espanhol bombardeia de novo as Bardenas com fogo real

A Bardenas Libres denuncia estas novas manobras, que decorrem de 13 a 18 de Fevereiro, e pergunta quantas manobras mais terá de aguentar este ano. «O que sabemos é o que significa o aumento da verba económica que recebem os municípios, que se traduz numa maior dependência económica dos exercícios militares deste campo de treino militar», denuncia.

«Também fica clara a atitude do Ministério [espanhol] da Defesa de continuar a usar estas terras, protegidas do ponto de vista ambiental como Parque Natural e Reserva Natural da Biosfera, para os interesses da NATO, e também para cobrir as necessidades da indústria do armamento», acrescenta.

Incentivam, para além disso, os que mantêm a luta contra o campo de treino militar e contra as guerras a prosseguir essa luta «ainda com mais força, se possível», e a juntar energias com iniciativas como as que foram propostas por alguns grupos municipais, com vista a dedicar o dinheiro recebido à ajuda aos refugiados, «que se vêem obrigados a deixar as suas terras devido às guerras imperialistas que a NATO treina aqui». / Mais info: ahotsa.info

«As nove razões dos EUA para declararem guerra à Venezuela»

[De Nazanín Armanian] Para o imperialismo EUA o que está em causa na Venezuela é bastante mais do que a recolonização do «pátio das traseiras» e o saque (já realizado em relação a muitas toneladas de ouro) das riquezas do país. Tal como no Médio Oriente, é o confronto com Rússia e China e com qualquer país que não se sujeite ao seu domínio. E é também represália pelo dispendioso insucesso na Síria, Iraque, Afeganistão. (odiario.info)

Ver tb: «EUA e Colômbia preparam provocação contra a Venezuela na fronteira» (Abril)
Os governos norte-americano e colombiano querem levar a efeito uma operação de falsa bandeira na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, alertou esta segunda-feira Freddy Bernal, do PSUV.

EUA e Israel lançam novos ataques contra território sírio

Os ataques da aviação da chamada «coligação internacional», liderada pelos Estados Unidos, provocaram pelo menos 90 mortos no Sudeste da província de Deir ez-Zor, segundo indica a Prensa Latina.

A estação de TV Ikhbariya revelou que as forças militares israelitas lançaram, esta segunda-feira à tarde, um ataque contra vários pontos na província de Quneitra, no extremo Sudoeste da Síria, tendo destruído o hospital da cidade de Quneitra, que não se encontrava a funcionar. (Abril)

Kortatu – «El estado de las cosas»

Tema do álbum homónimo (1986) da banda de Irun (Gipuzkoa).