sábado, 30 de abril de 2011

O Bildu denuncia situação de «indefensabilidade» face ao prazo para apresentar alegações

O prazo da coligação para apresentar alegações contra as impugnações no Supremo Tribunal espanhol acabava ontem ao meio-dia. No momento em que as apresentaram, criticaram a situação de «indefensabilidade» em que foram colocados, já que, nalguns casos, receberam as impugnações oficiais fora do prazo estabelecido. O Bildu apresentou as suas alegações às 11h55, depois de ter tido conhecimento das impugnações pelos meios de comunicação, e não de forma oficial.

«O EA afirma que "o impulso que guia toda esta loucura é única e exclusivamente político"»


Numa conferência de imprensa em Bilbo, representantes do Bildu e dos sindicatos ELA, LAB, CCOO, ESK e USO tornaram público um comunicado por ocasião do Dia do Trabalhador, que se comemora este domingo.

Oskar Matute, da Alternatiba, na Info7 Irratia
http://www.info7.com/2011/04/29/oskar-matute-3/
O porta-voz da Alternatiba e membro da coligação Bildu denuncia a decisão do Estado espanhol de impugnar todas as listas da coligação e destaca o facto de quase não terem tido tempo para apresentar as suas alegações.

«O sindicato ELA acusa Zapatero de cumprir a agenda traçada pela extrema-direita» (SareAntifaxista)

Através de um comunicado, o Bildu fez saber que o processo das alegações se guiou pelo «mesmo sem sentido que o das acusações». Assim, precisa que, inicialmente, o prazo para a apresentação de alegações estava marcado para as 17h00 de ontem, tendo no entanto sido adiantado, «sem mais explicações, para as 12h00».

«Isto é ainda mais grave se se tiver em conta que as impugnações oficiais, que deviam ter estado nas mãos dos representantes legais da coligação anteontem ao meio da tarde, foram recebidas ontem às 10h55 em Araba e às 12h30 em Gipuzkoa, ou seja, quase a cumprir-se o prazo, num caso, e com o prazo já esgotado, no outro», referem.

Para além disso, os porta-vozes do Bildu afirmaram ter tido conhecimento do conteúdo das impugnações pelos meios de comunicação, e não de forma oficial.

Em todo o caso, um representante legal do Bildu apresentou ontem às 11h55 um escrito de 160 páginas com as alegações aos recursos apresentados contra a coligação pela Procuradoria espanhola e a Magistratura do Estado.

Por último, a coligação anunciou que, no caso de o Supremo Tribunal tomar uma decisão contra a candidatura, farão «todo um percurso judicial para defender» o seu «direito a estar nas eleições e o direito dos cidadãos a votar no Bildu, seja no Tribunal Constitucional ou nas instâncias europeias».
Notícia completa: Gara

«Madrid ultrapassa os limites do TC para "contaminar" o Bildu», de Iñaki IRIONDO

«O Supremo dá mais um dia ao Bildu para apresentar as suas alegações»

Alegações do Bildu
-
-
-
«A esquerda abertzale avaliou a situação política em conferência de imprensa», de Ezker Abertzalea
Na foto, da esquerda para a direita: Tasio Erkizia, Marian Beitialarrangoitia, Niko Moreno e Miren Legorburu.

«Elecciones, naturaleza y colonia»

Las elecciones, esa fiesta grande -dicen- de la democracia, es otra buena ocasión para observar nuestra condición de pueblo subyugado. En otro tiempo, la “naturaleza navarra” equivalía a lo que hoy entendemos por nacionalidad. Sin tener naturaleza, no se podía acceder a los oficios, cargos, ni beneficios generales. Imposible que fuera regidor o alcalde un no navarro. Según el Fuero, natural de Navarra era “el que fuere procreado de padre, o madre natural, habitante en el dicho Reino de Navarra”. Ser meramente habitante o nacido en Navarra, de padres no navarros, no concedía naturaleza. Tras la conquista, comenzaron a ocupar cargos y oficios los no navarros, lo que fue motivo de arduas protestas de nuestras Cortes.

Se creó entonces la figura de los “naturalizados” para intentar justificar dichas usurpaciones. Pero a pesar de la insistencia del Rey Católico, las Cortes navarras no consintieron dar la naturaleza al poderoso coronel Villalba. Los no naturales eran considerados “extranjeros”, fuesen franceses, castellanos o aragoneses. Y esta situación continuó hasta el siglo XIX. Todavía en 1817 las Cortes navarras negaban la naturaleza, por dos veces, al italiano Juan Campión, abuelo del gran Arturo, el que tanto lustre diera luego a la nacionalidad.

Con el declive foral, los “extranjeros” españoles fueron poco a poco adquiriendo derechos. Militares, funcionarios del Estado, maestros… Sin embargo, basta ver los apellidos de nuestros diputados, alcaldes y concejales, para darse cuenta que hasta ayer mismo Navarra, como las otras tres provincias vascas, siempre ha sido gobernada por gentes del País.

Primo de Rivera y luego Franco, fueron introduciendo la costumbre de nombrar alcaldes castellanos a dedo. Tal vez fue entonces cuando surgió en nuestros pueblos la copla: “Que vienen de fuera / que traen dos reales / y al año que viene / ya son concejales”.
La clase política castellana tuvo cada vez menos problemas para encaramarse en las instituciones vascas y la llegada de la democracia, digámoslo así, levantó el resto de trabas. Sin embargo, en el país se siguió manteniendo la costumbre y la dignidad de que, para ser concejal de un pueblo, al menos había que vivir en él.

Con la excusa de la “extorsión terrorista”, se cambió la ley que lo impedía, y cualquier español pudo ya presentarse en cualquier pueblo vasco. Y debe decirse así puesto que, aunque también podría ser a la inversa, la ley se hizo para lo que se hizo y sólo se ha utilizado en una dirección: la del imperio hacia la colonia. De pronto surgieron políticos profesionales, sobre todo del PSOE, que comenzaron a presentarse allá donde una buena bolsa de emigrantes podría garantizar votos. Un Buen para la alcaldía de Irún; otro Buen para la de Orereta; un segundón de UGT alcalde de Berriozar después de intentarlo en Tudela…

El antivasquismo era el gran estribo de los arribistas castellanos. Así se explica que el leonés Aladino Colín fuera el primer portavoz del Gobierno navarro que justificara porqué había que denegar en Pamplona una emisora en euskera, al tiempo que el gallego Mosquera defendiera que el euskera no era la lengua propia de Álava. La burgalesa Yolanda Barcina o el gallego Rodolfo Ares son dos ejemplos extremos de ese odio indisimulado a todo lo autóctono. Alguno me podrá decir con razón que no faltan quienes con ocho abolorios vascos harían el mismo papel inquisidor, pero eso sólo refuerza la idea de que, además de los Condes de Lerín, necesitan la adarga castellana.

Ahora no tienen la excusa de la violencia pero sigue la colonización: el PP se ha presentado en todos los pueblos de Gipuzkoa con 800 “paracaidistas” de fuera del territorio, y en Bizkaia con 730. De ahí saldrán alcaldes y concejales de pueblos que sólo conocen por el mapa. Una perversión de la democracia y una agresión a los pueblos, que tienen todo el derecho del mundo a echar a boinazos a esa banda de sinvergüenzas. ¿Se imagina alguien lo que diría la prensa madrileña si los vascos hicieran semejante desembarco en una provincia española?

Las listas electorales nos ofrecen también otras lecturas. Por ejemplo, los apellidos autóctonos de los candidatos. Ya sé que no es ciencia exacta y que hay Pérez euskaldunas de veinte generaciones, pero la mayor o menor cantidad de apellidos navarros nos ayuda a reconocer los colectivos representados. Y es curioso que los que más defienden el carácter vasco de Navarra, Nabai y Bildu, son con diferencia los colectivos más indígenas. Les siguen otros grupos con bastante sello autóctono (CDN, Partido Carlista, Izquierda-Ezkerra o Iniciativa) y va bajando considerablemente en UPN y PSN, y más en UPYD y DNYD.

Es decir que los partidos que se dicen más defensores de la navarridad, de las esencias de Navarra, etc., son los que tienen más recién llegados y menos naturales. Y por supuesto, si se hiciera un examen de euskera a todos ellos, las diferencias serían abismales. Rizando el rizo, la defensa virulenta que hacen de la Ley de Partidos los partidos con más forasteros, exigiendo su aplicación precisamente contra el sector más autóctono de origen y lengua, ¿no es una forma más de castellanización, de genocidio cultural y político?

Concejal a concejal, cargo a cargo, los conquistadores nos siguen robando el país. Es así de simple. Hoy día, el coronel Villaba sería candidato al Gobierno de Navarra. ¡Qué digo! De hecho, lo es.

Jose Mari ESPARZA ZABALEGI
Fonte: boltxe.info

Milhares de adesões à manifestação por Otegi que hoje irá decorrer em Elgoibar

Pelo direito a fazer política em Euskal Herria e para exigir a libertação do líder da esquerda abertzale, Arnaldo Otegi, hoje uma manifestação nacional irá percorrer as ruas de Elgoibar (Gipuzkoa). A marcha começa às 17h30 e tem por lema «Euskal Herriak politika egiteko eskubidea. Arnaldo askatu, politika askatu!».

A plataforma Otegi Askatu! encorajou todos os cidadãos a participarem neste evento, «mesmo sendo uma época pródiga em manifestações», e lembraram que não estarão «sós nas ruas de Elgoibar», em alusão às 3170 adesões e mostras de apoio que a organização recebeu até agora através da sua página de Internet, provenientes de Euskal Herria e fora dela. Informaram também que a manifestação foi autorizada e que em Elgoibar haverá parkings para autocarros e particulares à disposição.

A organização pelos direitos políticos criticou o facto de Otegi estar há 19 meses na prisão «sem outra razão que a de criar entraves ao desenvolvimento político deste país». Durante a conferência de imprensa que deram em Elgoibar para convocar a manifestação, referiram-se «ao salto qualitativo» dado para a solução democrática e pacífica do conflito que se vive em Euskal Herria, «que se deve em parte ao impulso dado pelo próprio Arnaldo, tal como reconhece a maioria dos partidos bascos, incluindo o PSOE, bem como sindicatos e outros agentes sociais».
Neste sentido, afirmaram que Arnaldo Otegi «é o símbolo que representa uma situação de esperança». Não obstante, lembram também os restantes detidos juntamente com o líder político e os demais presos.
Fonte: Gara

«A Audiência Nacional recusa a libertação de Arnaldo Otegi por "elevado risco de fuga"» (Gara)
Os magistrados Ángela Murillo (QUEM!?), Teresa Palacios e Juan Francisco Martel também não aceitaram os pedidos de libertação de Arkaitz Rodríguez, Sonia Jacinto e Miren Zabaleta.

Paris entrega Irati Tobar e é interpelada sobre Aurore Martin

A questão do mandado europeu continua a dar que falar. Um deputado de esquerda, Patrick Braouezec, acaba de enviar uma pergunta por escrito ao ministro da Justiça francês, Michel Mercier, sobre o caso de Aurore Martin, pedindo-lhe que explique na Assembleia Nacional o que é que o Governo pensa fazer relativamente à decisão dos tribunais de aceitar a entrega de Aurore Martin, segundo informou a Askatasuna.

No seu texto, o deputado pertencente ao grupo da Esquerda Democrática e Republicana refere que Martin «é uma militante de nacionalidade francesa da organização independentista basca Batasuna, legal em França mas proibida em Espanha», e lembra que a Corte de Pau e o Tribunal de Cassação aceitaram o pedido de extradição da Audiência Nacional «porque Aurore Martin se manifestou publicamente num plano político».

Acrescenta que o Estado francês aceitou esta solicitação «mesmo tratando-se de factos que ele mesmo não considera ilegais, e que, com base na legislação francesa, concernem liberdades fundamentais como são a liberdade de expressão, de reunião e de opinião».

Tribunal de excepção
O texto salienta que, «no caso de a militante abertzale ser transferida para Espanha, corre o risco de ser condenada a uma pena de prisão de doze anos». O deputado vai mais longe e afirma que nesse caso Martin «seria presente a uma jurisdição de excepção na qual ficou claro que há recurso à tortura, particularmente no caso de militantes bascos».

Por tudo isso, conclui que gostaria de saber o irá fazer o Governo para rever esta decisão, «de forma que a oposição política não seja criminalizada sob o pretexto de uma luta contra o terrorismo, quando a esquerda nacionalista basca não cessa de se manifestar e de agir a favor de uma resolução democrática política e pacífica».
O ministro conta, habitualmente, com dois meses para responder à pergunta escrita.

Entrega a Madrid
Por outro lado, anteontem foram entregues a Madrid, à Audiência Nacional, o mundakarra Oier Gonzalez e a portugaluja Irati Tobar, também na sequência da emissão de mandados europeus.
O caso desta última e dos outros jovens da Segi voltou a ser abordado na Câmara Municipal de Hendaia (Lapurdi) no passado dia 20 de Abril.

A eleita do grupo de esquerda Christelle Cazalis e o vereador abertzale Iker Elizalde voltaram a denunciar o mandado europeu, por «constituir um ataque aos direitos civis e políticos» e instaram o autarca Jean-Baptiste Sallaberri «a tomar uma posição».

O presidente da Câmara hendaiarra respondeu que, na sua opinião, «existe um vazio jurídico no procedimento do mandado europeu, já que, «sendo a Segi ilegal em Espanha e não em França, os critérios de aplicação chocam com os direitos democráticos». Acrescentou que o mandado europeu «deve ser despojado de toda a parte política para que seja credível e aplicável» e interpelou a Segi para que «clarifique o seu posicionamento democrático».

Sallaberri condenou «as brutais práticas policiais nas detenções, que envenenam ainda mais uma situação para a qual há que encontrar uma solução pacífica». Finalizou expressando o seu desejo de que acabem todas estas detenções e que «as pessoas encarceradas com base nesse procedimento sejam postas em liberdade».
Anteontem teve lugar uma concentração de protesto em Pausu (Lapurdi) e para ontem estava convocada uma outra na rotunda de Behobia (Lapurdi).

Arantxa MANTEROLA
Fonte: Gara
Entretanto, o Movimento pró-Amnistia fez saber que o durangarra Oier Gonzalez ia ser posto em liberdade nas próximas horas, depois de extraditado pelo Estado francês e encarcerado em Soto del Real.

Gaizka Jareño saiu em liberdade na quarta-feira
O preso político de Elorrio foi posto em liberdade na quarta-feira passada, depois de, nas últimas semanas, ter sido julgado, juntamente com outros biscainhos; a sentença ainda não saiu, mas Gaizka já recebeu ordem de liberdade.
Gaizka foi detido pela Guarda Civil em Elorrio em Julho de 2008, tendo sido encarcerado, depois de ter sido submetido a tortura. Conheceu a realidade da dispersão, passando por prisões como Huelva, Soto, Aranjuez, Alcalá e Valdemoro.
Na quarta-feira, teve a primeira recepção de boas-vindas na sua terra natal.
Fonte: askatu.org / Foto: altzoan.com

Ihesbide - «Ez etsi, eutsi» (Não desistas, resiste!)
Tema dos Ihesbide, de que Gaizka é membro.

Queimam a bandeira espanhola colocada no Tribunal de Bergara

Responsabilizam dois encapuzados.
Bergara * E.H.
Dois encapuzados queimaram na madrugada passada a bandeira espanhola colocada no Tribunal de Bergara.
Os factos ocorreram por volta da meia-noite, na Ariznoa plaza, na citada localidade guipuscoana, onde se encontra o tribunal.
Ao que parece, dois encapuzados, com o rosto tapado, cortaram a corda que prendia a bandeira espanhola; depois, deitaram-lhe líquido inflamável para cima e atearam-lhe fogo.

De acordo com o Berria, o Governo de Lakua tem andado a colocar bandeiras espanholas no exterior de diversos tribunais nas últimas semanas.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

O Bildu afirma que a impugnação constitui uma «aberração» que responde à «debilidade do PSOE face ao PP»

O Bildu afirmou não ter «a mais pequena dúvida» de que estará presente nas eleições e considera «completamente absurdo» e «incongruente» dizer que uma coligação que «rejeita de forma expressa a violência da ETA» responde a «uma estratégia urdida pela própria ETA».

Numa conferência de imprensa que decorreu em Bilbo, na qual estiveram presentes, entre outros, o secretário-geral do EA, Pello Urizar, o porta-voz da Alternatiba, Oskar Matute, e a candidata independente por Bilbo Aitziber Ibaibarriaga, a coligação negou a existência de «uma única razão, tanto legal como jurídica», para impugnar as suas listas. «Só existem razões políticas e profundamente antidemocráticas», acrescentaram.

Na sua opinião, a acusação que a Magistratura e Procuradoria fizeram contra o Bildu é «total aberração jurídica, política e democrática, que só pode ser entendida tendo em conta a debilidade do PSOE face às pressões do PP».

Num comunicado lido em euskara e castelhano por Urizar e Ibaibarriaga, afirmaram que o Bildu é «o reflexo da vontade livre e soberana» do EA e da Alternatiba e de «pessoas que se sentem parte, ideologicamente, de um sector político (soberanista e de esquerda) presente na sociedade» e que, «com base numa aposta inequívoca e exclusiva em vias pacíficas, políticas e democráticas, decidiram participar legitimamente na vida política e estar presentes nas instituições» no caso de ganharem o apoio dos cidadãos.

Neste sentido, afirmaram que «ninguém» será capaz de fazer que a sociedade basca renuncie ao «seu desejo» de paz e liberdade «recorrendo à violação de direitos, à violência, à invenção de argumentos e provas ou a acusações de alegados vínculos baseados em conjecturas, suposições e, definitivamente, em nenhum pressuposto do direito».

«A aposta exclusiva nas vias pacíficas, políticas e democráticas que o Bildu defende activamente mergulha as suas raízes na convicção de que, em política, todas as ideias e todos os projectos devem poder ser defendidos livremente, sem outro impedimento que o do respeito pela dignidade da pessoa e pela vontade livre e democrática dos cidadãos», reclamaram.

Na sua opinião, afirmar que o Bildu, «uma coligação que rejeita de forma expressa a violência da ETA», responde a uma «estratégia urdida pela própria ETA» é «completamente absurdo» e «incongruente». «A não ser que se entenda que é a própria organização que está a contribuir para criar um instrumento para que defenda, precisamente, o seu desaparecimento», acrescentaram.
Notícia completa: Gara

Txelui Moreno, militante da esquerda abertzale, na Info7 Irratia
O conhecido militante da esquerda abertzale aborda, entre outros temas, a decisão de impugnar todas as listas da coligação Bildu.

Leituras

Na foto: Aberri Eguna e Nafarroaren Eguna, em Baigorri (kazeta.info)

«Un sendero para transitar», de Oihana LLORENTE, jornalista


«Sugerencias a los medios alternativos», de Koldo CAMPOS SAGASETA, escritor

O juiz não toma nenhuma medida cautelar contra o rap de "La chula potra", que actuará em directo este sábado na Praça do Município

Julieta Itoiz, "La chula potra", depôs ontem de manhã na Audiência Provincial de Iruñea, na sequência da queixa apresentada por Yolanda Barcina, que considera o seu rap «Una bofetada» injurioso.
Barcina solicitava a retirada provisória do vídeo, mas o juiz decidiu não o fazer por agora, tendo antes pedido a ambas as partes que apresentem informes sobre a questão até quinta ou sexta-feira da semana que vem.
Desta forma e como estava previsto, "La chula potra" irá cantar o seu rap em directo neste sábado, às 13h00, na Udaletxe plaza, em Iruñea, no cerco organizado pelo Movimento pelos Direitos Civis.

Nas próximas semanas, o juiz de instrução deverá tomar uma decisão sobre uma eventual retirada do vídeo da Internet e também sobre o arquivamento da queixa por injúrias feita por Yolanda Barcina.
Julieta Itoiz saiu bastante satisfeita do tribunal, pois julga ter ficado claro o sentido do rap que compôs após o despejo do Euskal Jai. «Ela fez-me mal e eu respondi-lhe com este rap», referiu. Para além disso, "La chula potra" afirmou ter falado com advogado de Barcina, para que lhe transmitisse as suas desculpas no caso de o rap a ter ofendido, e também para lhe agradecer toda a publicidade que, com esta queixa, lhe está a fazer. Agradeceu ainda todo o apoio popular com que tem deparado.
Fonte: ateakireki.com / Na foto: Julieta Itoiz com o seu advogado, Pepe Uruñuela.

Declarações de Julieta Itoiz e do seu advogado à saída do tribunal
Fonte: ateakireki.com

Festival de hip-hop no 10.º aniversário da Koska Irratia

O concerto terá lugar no sábado, dia 30 de Abril, no gaztetxe de Itzubaltzeta/Erromo (Getxo, Bizkaia) a partir das 20h00; a entrada custa 5 euros e os participantes no evento são:

Grupo de Barakaldo, cujos membros se destacam pela sua juventude (15 anos), constituindo um novo valor na cena do hip-hop de Euskal Herria.
http://www.myspace.com/video/revoltaehpermanent/garrasi-egin-revolta-permanent/107044481

- 121CREW SOUND SYSTEM
Grupo de Barakaldo já com bastante andamento, um dos expoentes máximos do hip-hop em Euskal Herria; desta vez, apresentam-se em modo «sound system».

- PABLO HASEL
Rapper de Lleida (Catalunya) que, com as suas letras combativas e os seus inúmeros vídeos lançados na Internet, se tornou um fenómeno da música comprometida; é a primeira vez que está em Euskal Herria.

Entrevista com Pablo Hasel publicada no blog CINCUENTAYTRESDIAS.BLOGSPOT.COM: http://cincuentaytresdias.blogspot.com/2010/06/entrevista-pablo-hasel-mas-tema-inedito_2663.html

Fonte: lahaine.org

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A Euskadi Ta Askatasuna comunica aos empresários que põe fim ao «imposto revolucionário»

Gara eta Berria * E.H.
A Confederação de Empresários de Nafarroa e a Confebask confirmaram que a ETA lhes comunicou através de uma carta o fim do denominado «imposto revolucionário» e que lhes pediu que ponham os restantes empresários a par desta decisão...

ETAk 'iraultza zerga' bukatu duela jakinarazi die euskal enpresaburuei, hauek diotenez

Fonte: SareAntifaxista

Análise política na Info7 Irratia

Floren AOIZ

Fazemos (todos) uma análise da actualidade política na companhia de Floren Aoiz. Atsegin handiz!

Ver também:
«A Magistratura do Estado procura repetir com o Bildu a receita utilizada para vetar o Sortu», de Iñaki IRIONDO
A Magistratura do Estado impugnou ontem todas as candidaturas do Bildu por considerar que a coligação é «um veículo para facilitar a presença da esquerda abertzale ilegalizada nas instituições». Para tal, baseia-se em relatórios policiais sobre documentos atribuídos à ETA que falam de acumular forças independentistas e em relações não especificadas de candidatos com a esquerda abertzale. Até o decálogo ético é apresentado como uma prova contrária.

«A Magistratura do Estado impugna as listas do Bildu»

A Ertzaintza deteve os dois zarauztarras que foram alvo de uma denúncia anónima

Aritz Labiano e Haritz Gartxotenea, os dois jovens que foram condenados a um ano de prisão na sequência de uma denúncia anónima, não se apresentaram na AN espanhola, que os notificou para depois os encarcerar. Penduraram-se na parede de Santa Bárbara, em Zarautz, como forma de protesto. Depois, a Ertzaintza deteve-os.


Vídeo: Aritz Labiano e Haritz Gartxotenea explicam as razões por que não se apresentam na AN (eus)

Aritz Labiano e Haritz Gartxotenea tinham sido notificados para comparecer ontem às 12h00 na Audiência Nacional espanhola, para depois irem para a prisão e cumprirem a pena de um ano a que foram condenados depois de terem sido denunciados anonimamente por una pessoa que garantiu tê-los ouvido gritar «Gora ETA!» durante uma manifestação.

Em vez disso, os dois jovens penduraram-se na parede de Santa Bárbara, em Zarautz, com uma faixa em que se lia «Utzi pakian» (deixem-nos em paz), e explicaram as razões pelas quais não se apresentaram no tribunal de excepção num vídeo que lançaram no Youtube.

Labiano e Gartxotenea denunciam a sua situação e explicam que não vão à AN porque nesse tribunal não têm hipótese de defesa «pelo mero facto de ser bascos».

A Ertzaintza apareceu em Santa Bárbara, identificou algumas pessoas e foi-se embora pouco depois.

À tarde, agentes da Policía autonómica regressaram ao local com a ordem de detenção emitida pelo tribunal de excepção espanhol, sucessor do TOP franquista. Segundo o Gara conseguiu apurar, os dois jovens subiram por sua própria vontade até ao cume de Santa Bárbara, tendo sido posteriormente detidos e levados para a esquadra de Zarautz, de onde devem ser enviados para a prisão.

Na ermida de Santa Bárbara juntaram-se mais de vinte pessoas para apoiar os dois jovens, que também receberam manifestações de apoio e mensagens de incentivo lá de baixo, da praia. Em Zarautz, viam-se diversas faixas solidárias, mas os trabalhadores municipais de limpeza retiram-nas, escoltados pela Polícia Municipal.
Através da rádio livre Arraio Irratia, Labiano e Gartxotenea agradeceram aos seus conterrâneos a solidariedade e as manifestações de carinho patenteadas.

Sessão plenária e mobilizações
Às 12h00 foi convocada uma concentração de apoio aos dois habitantes de Zarautz. Para à tarde, às 19h00, estava marcada a última sessão plenária da actual legislatura na Câmara de Zarautz, e um grupo de moradores fez um apelo às pessoas no sentido de estarem presentes e denunciarem a situação destes dois jovens. Para as 20h00 estava marcada uma manifestação, com início na Praça do Município.
Fonte: Gara / Notícia mais desenvolvida aqui.
A Sala 69 da AN espanhola argumenta que a juíza Murillo não está «contaminada» para julgar Otegi novamente
A Sala 69 da Audiência Nacional espanhola, que refutou o impedimento apresentado por Arnaldo Otegi contra o tribunal presidido por Ángela Murillo, sustenta que a juíza não está «contaminada objectivamente» para o julgar de novo.
VER: Gara / Auto na íntegra e voto particular

Convocam manifestação para sexta-feira em Donostia, pelos direitos dos presos
O Movimento pró-Amnistia afirmou, no decorrer de uma conferência de imprensa em Donostia, em que também estiveram familiares e amigos de Antton Troitiño, que o mandado de captura emitido contra este ex-preso «é mais um reflexo da situação de acosso imposta» a Euskal Herria pelo Governo espanhol. Pediu também que se ponha fim à política de vingança contra Troitiño e convocou uma manifestação pelos direitos dos presos políticos para a próxima sexta-feira, às 19h00, em Donostia.
Notícia completa: Gara / Ver também: askatu.org

Cerco à CM de Iruñea: diversos colectivos defendem a «recuperação de direitos e liberdades»

Convocatória: cerco à CM de Iruñea, pela recuperação de direitos e liberdades

Fonte: ateakireki.com

Como porta-voz do Movimento pelos Direitos Civis de Euskal Herria, Expe Iriarte disse que, com Yolanda Barcina à frente da Câmara Municipal, aqueles que desejam para Iruñea «um projecto diferente» foram alvo de «multas, proibições e repressão».

Como exemplo disso, referiu a conferência de imprensa de ontem, que a Polícia Nacional espanhola não permitiu que decorresse na Udaletxe plaza, ou a recusa de um local municipal para que o diplomata e ex-embaixador do Vaticano Gonzalo Puente Ojea apresentasse, numa conferência, o seu livro La cruz y la corona. Las dos hipotecas de la historia de España.

Iriarte mencionou ainda a ausência na conferência de imprensa dada pelo Movimento pelos Direitos Civis, ontem de manhã, de Julieta Itoiz, conhecida como «La chula potra», que se encontrava com o seu advogado, em virtude de ter sido notificada para comparecer hoje em tribunal por causa de uma queixa que a autarca apresentou contra ela; na origem está o rap «Una bofetada», precisamente dedicado a Barcina.

«Sob o reinado da UPN, a cultura em Iruñea transformou-se num adorno, em vulgaridade, negócio e louvor a si mesmo», salientou, tendo acrescentado que na Europa a candidatura de Iruñea a cidade capital da cultura foi recebida «quase como um insulto ao próprio certame».

Para além disso, o governo local da UPN, disse, fez do San Fermin algo «casposo e rançoso», o património histórico ficou submetido «ao lucro e ao cimento», o «assalto» ao gaztetxe «suprimiu» uma «das melhores iniciativas juvenis autogeridas» e os olentzeros do bairro foram alvo de «perseguição».

Face a tudo isso, a denúncia ou o recurso judicial «não bastam», afirmou Expe Iriarte, pelo que anunciou para este sábado às 13h00 um «cerco» à Câmara Municipal como forma de «protesto global contra esta atitude cerceadora de direitos e liberdades».

Uma corrente humana que pretende rodear a sede municipal num «ambiente festivo», precedida de outro acto às nove da manhã na Txantrea para exigir que os «calderetes» populares das festas do bairro sejam permitidos; à tarde, seguir-se-á a «reivindicação dos jovens».
Fonte: Gara

Ver também: «O Movimento pelos Direitos Civis rodeará a Câmara Municipal este sábado, tendo o rap de "La chula potra" como banda sonora» (ateakireki.com)

Euskal Herri osoan ★ Maiatzak 1 de Maio

Mobilizazioak Euskal Herri osoan / Mobilizações em todo o País Basco
«Kapitalismoak akatzen gaitu»
O capitalismo mata-nos
Autoorganizazioa eta borroka!!
Auto-organização e luta!
Kapitalismoa suntsitu!!
Destrói o capitalismo!
Aldaketa soziala... Orain!
Mudança social... Já!
Fonte: SareAntifaxista

Mikel Laboa - «Langile baten galderak liburu baten aurrean»

Letra: poema «Perguntas de um trabalhador que lê», de Bertolt Brecht.

Hitzak: http://eu.musikazblai.com/mikel-laboa/langile-baten-galderak-liburu-baten-aurrean/

Quem construiu a Tebas de sete portas? / Nos livros estão nomes de reis. / Arrastaram eles os blocos de pedra? / E a Babilónia várias vezes destruída / Quem a reconstruiu tantas vezes? Em que casas / Da Lima dourada moravam os construtores? / Para onde foram os pedreiros, na noite em que / a Muralha da China ficou pronta? / A grande Roma está cheia de arcos do triunfo / Quem os ergueu? Sobre quem / triunfaram os Césares? A decantada Bizâncio / tinha somente palácios para os seus habitantes? Mesmo / na lendária Atlântida / os que se afogavam gritaram por seus escravos / na noite em que o mar a tragou. / O jovem Alexandre conquistou a Índia. / Sozinho? / César bateu os gauleses. / Não levava sequer um cozinheiro? / Filipe da Espanha chorou, quando sua armada / naufragou. Ninguém mais chorou? / Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos. / Quem venceu além dele? // Cada página uma vitória. / Quem cozinhava o banquete? / A cada dez anos um grande Homem. / Quem pagava a conta? // Tantas histórias. / Tantas questões.
Mais informação em boltxe.info

Ver também:
«1 de mayo. Independencia y poder popular», de Boltxe Kolektiboa / Euskal Herriko Komunistak (lahaine.org)

«La mayoría sindical vasca se moviliza conjuntamente el 1 de mayo» (boltxe.info)

quarta-feira, 27 de abril de 2011

À espanhola: Rubalcaba afirma que o Bildu «está na estratégia da ETA» e a Magistratura do Estado diz que vai impugnar todas as suas candidaturas

Zaldieroa (Berria) ['Época das colheitas' / 'Nascer' / 'Juntar' ou 'Colher' / 'Pisar' ou 'Espezinhar']

O ministro do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba, disse que os relatórios policiais sobre o Bildu concluem que a coligação «está na estratégia de ETA» e «nas suas listas há pessoas que têm relação com o ilegalizado Batasuna». A Magistratura do Estado adiantou que hoje irá impugnar todas as suas candidaturas.

Alfredo Pérez Rubalcaba afirmou que os relatórios elaborados pelas Forças de Segurança «são excelentes, com muita informação. Pusemos tudo o que sabíamos em cima da mesa, e é muito, porque nos últimos anos não andámos a chuchar no dedo.»

O ministro do Interior e vice-presidente do Governo espanhol evitou referir-se à existência de um acordo com o PP para impugnar todas as listas do Bildu, como reiterou hoje Federico Trillo (PP).

Confirmou, isso sim e tal como o fez o ministro da Justiça, que não se pode impugnar toda a coligação, porque a Lei de Partidos não o permite. [Lol, lol e mais lol! No jodas, cariño, la puta ley de partidos se lo impide... La democrazia è arrivata in Spagna! De juerga nos vamos! Tudo pà farra!]

A partir daí, resta «a alternativa de impugnar candidaturas. Quantas? Porquê? Isso é para a Magistratura do Estado e a Procuradoria Geral do Estado, que estão a trabalhar sobre os relatórios da Polícia e da Guarda Civil».

«Se não está esclarecido, amanhã à noite já deverá ficar», disse a um jornalista que o questionou sobre a possibilidade de impugnar todas as candidaturas do Bildu.

Apresentam dois pedidos
Entretanto, a agência Efe informou que a Magistratura do Estado impugnará hoje no Supremo Tribunal todas as candidaturas apresentadas pela coligação Bildu.
Citando fontes dos serviços jurídicos do Estado espanhol, a agência de informação acrescentou que serão apresentados dois pedidos: um contra a totalidade das listas do Bildu e outro para impugnar uma trintena de listas de grupos de eleitores.
Notícia completa: Gara / Notícia mais desenvolvida: Gara

Ver também:
«Fiskaltzak eta Estatuaren abokatuak Bilduren zerrenda guztiak inpugnatuko dituzte» (Berria)
A Procuradoria e a Magistratura do Estado vão impugnar todas as listas do Bildu

«O Bildu denuncia a "violação de direitos" que "sofreram desde o primeiro dia"»
O Bildu considera que os "sectores espanholistas e regionalistas" têm "medo da mudança política e social» que a coligação vai trazer, denunciando por isso "a violação de direitos que o Bildu e todos os seus candidatos sofreram desde o primeiro dia".


A secretária-geral do LAB, Ainhoa Etxaide, pensa que "vão ter de inventar muitas provas se quiserem ilegalizar o Bildu" e criticou "a utilização partidária e partidarista no Estado espanhol do que se está a passar nestas eleições".

«O Bildu dará a conhecer no sábado em Altsasu as suas propostas em matéria socioeconómica»

Leituras

Julieta Itoiz: «Se Barcina ficou ofendida, peço-lhe desculpa, mas defendendo o meu direito a expressar-me no idioma do rap»


«Que se cumpla mi sueño», de Julieta ITOIZ


«El odio de los vivos», Antonio ALVAREZ-SOLÍS

Convocada manifestação pelos direitos dos presos para Donibane Garazi

No sábado passado, dia 23 de Abril, Juan Manuel Galarraga e Marie-Claire Gramont, da associação de familiares e amigos dos presos políticos bascos Etxerat, e Muriel Lucantis e Emili Martin, da Askatasuna, deram uma conferência de imprensa em Baiona, na qual abordaram diversos aspectos da actual política repressiva dos estados para com os presos políticos bascos, especificando em concreto várias situações que denotam a gravidade da situação que os prisioneiros enfrentam, como sejam a dispersão, um maior afastamento dos presos do seu meio, o aumento das penas ou, de uma forma geral, a falta de respeito pelos seus direitos. Denunciaram esta situação de forma veemente e exigiram que os direitos dos presos sejam respeitados e, para fazer frente à gravidade deste cenário, convocaram uma manifestação para dia 21 de Maio em Donibane Garazi, que terá como lema «Dagozkien eskubideen jabe euskal presoak Euskal Herrirat» (senhores dos seus direitos, os presos bascos para o País Basco).
Fonte: Lejpb-EHko_kazeta e askatu.org

Apoio a Urko Labaka e a Aletxu Zobaran num tribunal de Lyon
No dia 20 de Abril, decorreu num tribunal de Lyon uma audiência para decidir a extradição dos presos Urko Labaka e Aletxu Zobaran, ambos detidos no dia 11 de Março em França.
Para manifestar apoio a ambos os presos políticos, cerca de vinte familiares e amigos partiram de Altza (Donostia) e Aiara, mas não tiveram a vida facilitada no tribunal: primeiro, os gendarmes não deixavam entrar ninguém; depois, já deixavam entrar doze pessoas; por fim, acabaram por poder entrar todos, mas com restrições: sem ikurriñas ou bandeirolas a favor dos presos e sem poder trocar umas palavras com os presos, sob ameaça de expulsão do tribunal.
Os dois presos políticos surgiram com T-shirts em que se evocava a figura de Mikel Ibañez (preso recentemente falecido na sequência de uma doença grave) e em que se pedia a libertação dos presos com doenças graves. Para além disso, afirmaram em tribunal que o pedido de extradição emitido contra eles se fundamenta em depoimentos arrancados sob tortura a outras pessoas detidas.
No final, os solidários fizeram ouvir palavras de ordem em tribunal e os presos foram levados dali, com violência, por agentes da Polícia francesa. Depois, na rua, enquanto esperavam que fossem levados para a prisão, começaram a aparecer agentes do CRS, empurrando várias pessoas e mostrando-lhes os cacetetes, mas sem silenciarem os seus gritos de solidariedade.
Fonte: askatu.org

Na prisão de Aranjuez, não deixaram que Zigor Goikoetxea visitasse o seu irmão
Os factos ocorreram no dia 21 de Abril na prisão de Aranjuez. Zigor Goikoetxea viu simplesmente ser-lhe vetado o direito a visitar o seu irmão Arkaitz, que se encontra encarcerado nesse presídio, sem que lhe fosse fornecido qualquer outro argumento que não um estúpido «Tu no entras». Tanto um como o outro já manifestaram a intenção de apresentar queixa.
Notícia completa: etengabe

Gernika exige o reconhecimento das responsabilidades do fascista genocida F. Franco no bombardeamento

Gernika reclama «este ano, mais uma vez», que se reconheça que o fascista genocida Francisco Franco deu ordens para bombardear a vila biscainha
Gernika * E.H.
O autarca de Gernika pediu «este ano, mais uma vez», por ocasião do 74.º aniversário do bombardeamento da localidade bizkaitarra - que ontem se assinalava -, que o Congresso dos Deputados «reconheça a verdade: a Legião Condor nazi bombardeou a localidade por ordem do genocida fascista espanhol F. Franco».
O Governo e o Parlamento alemães reconheceram este facto há catorze anos e pediram desculpa à população de Gernika, e perguntaram «porque custa tanto dizer a verdade e admitir que, naquela altura, foi uma mentira culpar os vermelhos-separatistas pelo ataque?»
Fonte: SareAntifaxista

Ver também: «Gernika pede verdade, paz e normalização, tendo Gerry Adams como referente» (Gara)

A Herri Urrats deste ano é para pagar o trabalho da ikastola de Kanbo

Berri Txarrak - «Laku Bat Munduan»

«Laku Bat Munduan» (Um Lago no Mundo) é o lema da edição deste ano da festa das ikastolas de Ipar Euskal Herria, que decorre em Senpere (Lapurdi) a 8 de Maio, e é também o tema que os Berri Txarrak criaram para o evento. A edição do ano passado teve menos gente do que é costume, até porque choveu. A ver se este ano o tempo ajuda e se todos se mobilizam em prol do euskara. Também com o apoio da gente do Sul.
Ver: Berria

terça-feira, 26 de abril de 2011

Solidariedade com Euskal Herria por ocasião do Aberri Eguna e do 37.º aniversário do 25 de Abril

Ontem, a Associação de Solidariedade com Euskal Herria participou, mais uma vez, no desfile comemorativo da revolução de 25 de Abril de 1974 realizado em Lisboa, na defesa dos valores da liberdade, da independência, da soberania dos povos e do socialismo.
Este ano, voltámos a contar com a participação de um bom número de activistas e amigos, que desceram a Avenida da Liberdade divididos em dois grupos, um deles seguindo uma faixa em que se lia «País Basco. Independência e Socialismo» e o outro atrás da faixa com a inscrição «Basta de prisões e tortura. País Basco livre e socialista».
Para além disso, os activistas e demais gente solidária com Euskal Herria exibiram, ao longo do percurso, ikurriñas, bandeirolas a favor do repatriamento dos presos políticos, uma enorme bandeira da Euskal Herria antifaxista e pancartas em que se denunciava o cerceamento das liberdades políticas e civis dos cidadãos bascos, a repressão, as ilegalizações e a tortura a que são submetidos.
«Independentzia», «borroka da bide bakarra» (a luta é o único caminho), «En España se tortura como en la dictadura» ou «Portugal e País Basco, fascismo nunca mais!» foram as palavras de ordem mais ouvidas, que se intensificaram à passagem pelo Consulado de Espanha. Nessa altura, os solidários com o País Basco viraram também as faixas de modo a ficarem de frente para essa representação institucional e ergueram as bandeiras bem alto, por entre aplausos e cravos erguidos. Os aplausos foram, aliás e tal como em anos anteriores, constantes ao longo do percurso.
Pela nossa parte, a solidariedade mantém-se e reforça-se. Lembramos, mais uma vez e fazemos questão disso, que o País Basco não caminha só!
Agradecemos a presença e o apoio de todos.

No dia 24 - Aberri Eguna (Dia da Pátria basca) -, várias pessoas (sobretudo portugueses e bascos) juntaram-se ao fim da tarde na baixa de Lisboa para confraternizarem e comemorarem o dia da Pátria dos bascos. O programa começou por incluir uma animada sessão de trikitixa (tipo de acordeão) e uma não menos animada kalejira (cortejo) pelas ruas da baixa (muito aplaudida por outros bascos e também alguns espanhóis em passeio pela cidade). A isso seguiu-se um jantar e uma euskal jaia (festa basca) na Voz do Operário, que reuniu cerca de meia centena de pessoas e se prolongou pela noite fora.

PSOE e PP ponderam se hão-de impugnar o Bildu em bloco ou lista a lista

Nas vésperas de se iniciar o prazo de dois dias para as impugnações ao Bildu, o PSOE e o PP trocam mensagens sobre a forma de agir. O debate não é inócuo. O PP exige que toda a coligação seja impugnada, recorrendo para tal ao relatório policial adiantado na sexta-feira pelo El País. O Governo do PSOE, que até agora falava sempre em agir lista por lista, está a pensar. O calendário acelera: o Supremo decidirá no sábado, e depois será a vez do Constitucional.
VER: Gara

A esquerda abertzale valoriza o facto de a ETA reiterar os compromissos assumidos
Na sequência da nota emitida pela ETA, a esquerda abertzale valoriza o facto de a organização armada reafirmar os compromissos previamente assumidos e pede ao Estado espanhol que «mude de atitude de vez e opte pelas vias pacíficas e democráticas de uma vez por todas».
VER: Gara / Notícia mais desenvolvida aqui.




Ver também:
«Wikileaks delata la indecisión del PSOE en el último proceso», de Ramón SOLA

A Manos Limpias apresenta queixa contra os juízes que decretaram a libertação de Troitiño

Enquanto o PP e o PSOE continuam a trocar acusações após a libertação Antton Troitiño, a Manos Limpias anunciou anteontem que iria apresentar uma queixa no Consejo General del Poder Judicial (CGPJ) contra os magistrados da Audiência Nacional espanhola que tomaram a decisão de mandar libertar o preso político donostiarra por «alegada negligência e imprudência grave».
Depois da saída da prisão e da polémica mediática desatada pelo PP, esses três mesmos juízes - Alfonso Guevara, Guillermo Ruiz Polanco e María de los Ángeles Barreiro - revogaram a decisão e decretaram a detenção do cidadão basco, que ainda não foi localizado.
Ver: Gara

Pelo fim das detenções e da tortura, em Iruñea
Como todas as segundas-feiras, ontem pediu-se o fim das detenções e das torturas em frente à sede do PSOE em Iruñea.
Fonte: ateakireki.com

Julieta Itoiz vai a tribunal no dia 28 de Abril

Barcina apresentou queixa contra esta moradora da Alde Zaharra de Iruñea por causa de uma canção
Iruñea * E.H.
A rapper Julieta Itoiz, «La Chula Potra», terá de se apresentar no Tribunal de Iruñea no dia 28 de Abril, quinta-feira, às 10h30, para se defender da queixa contra ela apresentada pela espanhola de extrema-direita Yolanda Barcina. Segundo denunciou a cantora e habitante da Alde Zaharra, a razão desta queixa tem a ver com a canção «Una bofetada», cujo vídeo recebeu milhares de visitas em sítios como o Youtube. Tanto a canção como o videoclip se tornaram, em poucos dias, num verdadeiro fenómeno em Iruñerria (comarca de Pamplona).
Julieta afirmou que a queixa de Barcina «não deixa de ser uma honra», porque isso mostra que a autarca «se fixou no seu modesto vídeo».

Ver também: «A espanhola de extrema-direita Yolanda Barcina apresenta uma queixa por injúrias por causa do videoclip de "La chula potra"» (SareAntifaxista)

Orain eta beti... Elkartasun Antifaxista!!
Agora e sempre... Solidariedade antifascista!
Apirilak 28 - 10:30etan (Iruñean)
28 de Abril - 10h30 (em Iruñea)
Adierazpen Askatasuna!!
Liberdade de expressão!


«Que se cumpla mi sueño», de Julieta ITOIZ

domingo, 24 de abril de 2011

25 de Abril sempre!

Cerco ao Quartel do Carmo


Zeca Afonso - «Grândola, Vila Morena»